domingo, 27 de março de 2011

todo mundo é um mundo (dois)

carlos é empresário e instrutor de pole dance. bárbara acha que sua cachorrinha é gente mas não gosta de araras coloridas. alberto ainda se sustenta jogando futebol de botão e escreve poemas sobre a vida. pedro é um arquiteto dantesco e pega moças com sardas e vozes estridentes. edu ainda guarda a gravação dos 15 minutos de silêncio pela morte de john lennon. ele a ouve diariamente. emiliana não sai de casa sem alimentar seus dezenove quatis venezuelanos e por isso abre mão da sua hora de almoço. jorge está há cinco anos procurando uma fêmea pra cruzar com seu bulldog inglês e desde então está solteiro. olavo dá descarga antes de acabar o xixi. camila não é mais viciada em atari e agora pratica tênis em seu nintendo wii. andré continua atrás de loiras peitudas que jogam videogame. infelizmente camila não é uma loira peituda. albuquerque é hetero. lemes é metro. lucas é homo. denis é bi. roger é trans. josemar é machista. bruno toca baixo e gosta de se fantasiar de jedi para sua namorada. frederico é baterista e decora 20 arranjos de um dia pro outro. diego toca tamborins envenenados. henrique é tecladista e nos anos oitenta tinha 56 sintetizadores. luiz é guitarrista e eventualmente faz bicos em novelas das seis. todo infinito cabe dentro de um segundo. todo mundo, sem exceção, é um mundo.


Octávio Scapin


este poema foi concebido especialmente para os shows do festival goiânia canto de ouro de 2011.

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom.

C. disse...

;)
bela semana

lindas palavras